Mandalas, processos contínuos

Uma das minhas ultimas mandalas. Esta deu-me um pouco mais de trabalho que as anteriores devido ao dobro do tamanho. Desta vez optei por não fazer em tela mas sim em folha de tela. Já tive contacto alguns amigos, artistas iranianos, que acham as minhas mandalas similares à iluminura persa, fui pesquisar, e creio que tem algumas influências, provavelmente por gostar tanto da arte e dos pormenores artísticos deles. As coisas que o nosso inconsciente traduz é incrível, cada vez que pinto, conheço-me um pouco mais, tem sido uma jornada incrível em conhecimentos de outros artistas e, em especial do … Continue reading Mandalas, processos contínuos

Centenário de comemoração da Bauhaus

Hoje comemora-se o centenário da fundação da Bauhaus (Bau, de construção, arquitectura; Haus, casa). A sua fundação foi a 12 de Abril de 1919, logo após a primeira guerra mundial, e deveu-se ao arquitecto Walter Gropius que foi inclusive seu primeiro director. A Bauhaus cria não só um estilo mas um mecanismo de dialeto, baseado num processo racional centrado na exactidão e na economia mundial. A escola que aliava a arte, arquitectura e design com o objectivo de criar uma arte total. Resultou da fusão de dois projetos similares anteriores, a Escola de Artes e Ofícios de Weimar e da … Continue reading Centenário de comemoração da Bauhaus

Mandala de Março

Esta deu-me algum trabalho, especialmente porque me pus com algumas “invenções” nas tintas onde tive a prova viva que comprar mais baratas nem sempre dá o melhor resultado, às vezes acabamos por gastar mais e, no fundo, ter que usar as tintas melhores porque só com elas é que conseguimos os resultados pretendidos. Não sou contra os materiais mais baratos, eles são bons para experiências, não para algo que perdure no tempo. Com ela, completo a minha série de pequenas mandalas que andei a desenvolver em telas de 16cm x 16cm, onde tentei não repetir os mesmos padrões das anteriores. … Continue reading Mandala de Março