Quando tudo muda

Um rebuliço, ou um sossego? Períodos sossegados, processamos e fazemos planos, tranquilamente assentamos ideias, motivamos o corpo, estimulamos o pensar, brisas correm, aragens passam, o mundo gira, e nós? No silêncio nos encontramos, de corpo e alma, sem grandes oscilações, estamos focados. Mas eis que surge o rebuliço. Damos o passo, movimenta-se todo o espaço, e o tempo, deixa de ter o mesmo número de horas, e o corpo, pesa, e as brisas, começam-nos a querer empurrar, as aragens, passam a correntes de ar, o mundo, passou a ser um peão, e nós? Somos um peão no mundo. O silêncio … Continue reading Quando tudo muda

Rumo ao momento

Rumo ao tão aguardado momento, movo entre expectativa e ansiedade, perco a noção da prática, pois sou tomada pela emoção. Assumo o lugar de passageira, nos desertos da minha imaginação, fujo a tempestades de areia, que me trazem de novo à razão. Sei que me contradigo, em tudo o que tenho falado, mas neste rumo para aquele destino, o racional é um pecado. Ponto de abstracção, sem definição, cabe a cada um a interpretação, de um momento descuidado. Continue reading Rumo ao momento

Passo a passo…

Enquanto houver estrelas no céu,que me permitam olhar,vou fixar toda a sua plenitude.e permitir-me sonhar.Durante anos não vi estrelas,estiveram timidamente escondidas.Imperceptíveis numa névoa,de dor e humilhação.Mas um novo acordar,fez-me despertar, a mente,para o presente,sentir, sem dor nem reprovação.Permitir sentir,apenas sentir-me,no momento,olhar-me e ser feliz.Gosto de abraçar o dia,e acariciar a noite.São pequenas conquistas,que nos fazem viver um dia devagar.    Continue reading Passo a passo…

Ventos que passam.

Dentro da minha mente passam-se coisas, que não são visíveis, nem ditas, o que permito que se veja são apenas cabelos, a voarem ao vento. A mente ninguém vai compreender, não tentem entrar dentro dela, não conseguirão. O que se pensa, pensa, o que se acha, acha, mas são cabelos, ao vento. Na necessidade de atenção incansável. Da tua boca saem palavras contraditórias, apregoas palavras ao público lindas e brancas, mas nos bastidores moveste-te como sombra negra e escura.  Fantasmas que me perseguem, sempre com a mesma assombração, puxam-me para irrealidades não minhas, através da manipulação. E eu, à muito tempo, … Continue reading Ventos que passam.

Só mais um… não obrigado!

Só mais um e desapareci,só mais um e esvoacei, entrei no nevoeiro,esfumacei.Só mais um numa infinidade,sem individualidade,mundo de massa,sem visão.Só mais um sem voz,sem nada a acrescentar,no meio da multidão,rouco.Só mais um número,só mais um ser,cartão, bilhete, coisa,número.Sempre a somar,mais um,quantidade,número. Quem nos torna? Ser mais um?Lutemos por nossas ideias,não sejamos apenas mais um,sigamos os nossos sonhos,pensamos individualmente,para compartilhamento colectivo. Colectivamente, mesmo com diferença, somos fortes,apenas temos que nos compreender,entender que o outro não é nosso reflexo,não é um número mas um individuo.Somos várias ideias,somos várias crenças,somos várias culturas,somos várias histórias,não somos reflexos nem espelhos.Por isso, ao contrário do que nos fazem crer,somos … Continue reading Só mais um… não obrigado!

Imaginário

Habito lugares encantados,de sonho e possibilidades,deles, nascem concretizações.Do imaginário construo o meu mundo,aquele que habito e visito, quando quero e me permito.Lá, crio cor,crio emoção, fantasiae, nele contemplo, tamanha beleza.Sonhos, que nos comandam na vida,que nos movem em frente,avançar, para além das fronteiras da imaginação.Quando deixam de ser sonhos,passam a realizações/concretizações,mas não param de fazer sonhar.Porque este espaço que visito,do meu imaginário é o que me permite criar,e continuar a avançar.É tão bom termos estes espaços, são neles que vamos buscar a nossa inspiração.Cada um, com a sua expressão. Continue reading Imaginário

Consulta para o médico

Hoje traz-me aqui uma história, nem tenho categoria para isto, é baseada em factos reais. E eu, que nem sou muito de contar histórias, mas hoje vou partilhar um pensamento sobre uma analise feita numa sala de espera de um consultório médico. É verdade. O outro dia fui ao médico, e tive que esperar 10 horas pela consulta. Quando uma consulta está agendada, é normal se atrasar, vá, 10 minutos, 15, 1/2 horas, (depende se público ou privado) eu esperei 10 horas. Já me haviam alertado que, para ir aquele especialista se esperava muito tempo e que o senhor fazia … Continue reading Consulta para o médico

Durante muito tempo imaginei.

Quando se vive das artes, cria-se inúmeras inspirações, é recorrente os artistas se inspirarem aqui e ali. Viverem de sonhos e delírios, oh que coisa tão frequente! O que são musas? O que é a natureza? Etc… nem vou entrar por aí. Como pintora, seria desonesta não admitir que tenho as minhas inspirações, umas mais mediáticas que outras, umas visíveis outras menos visíveis. Hoje, creio que me apercebi de algo, inventei um personagem na minha cabeça que tem servido de inspiração, é estranho admitir isto, um(a) amigo/a imaginário. Aprendi muito com esse personagem, tanto mas tanto que é complicado verbalizar. … Continue reading Durante muito tempo imaginei.

Um brinde…

Aqueles que estão por perto e, ainda que longe, lutam e são aconchegantes, e prevejo que ficarão por muito tempo, são muito importantes. Creio de certa forma há realidade neste tipo de expressão, objectividade, sabe-se com que se conta. É assim que surge amizades.  Aqueles que partilham viagens e nos dão a conhecer seus mundos, realidades e visões. São pura e simplesmente fantásticas – fazem-me viajar, imaginar, levantar voo e sonhar.  Aqueles que acompanham, comunidade, tão distintos e tão próximos, que nos aproximamos apesar de distantes derrubamos barreiras. Aqueles que têm visões totalmente diferentes, porque eu não sou tu, tu … Continue reading Um brinde…

Texto sem sentido algum… sonhos, balões, passados, histórias e voos. É o que acontece quando se escreve muito tarde.

Um dia sonhei que vivi uma história, acho, não tenho certeza, pertenceu a um passado, que agora o vejo cada vez mais longínquo. Nessa história eu tinha encontrado um balão, o qual valorizei bastante. Mas um dia o balão furou, rebentei-o sem querer, culpa minha. Errei, pensei, e tentei reconstruir o balão. Mas todos sabemos que balão rebentado não volta a voar. Tentei encher outro igual, mas nada foi igual, o que enchi, um dia explodiu-me na cara. Não forcei mais, porque aquilo doeu, mesmo em sonho. Então pensei, não passa de uma história de balões que só tem significado … Continue reading Texto sem sentido algum… sonhos, balões, passados, histórias e voos. É o que acontece quando se escreve muito tarde.

Estados ou estações?

É mesmo assim, determinados períodos identificamos tons vermelhos, amarelos, laranjas e castanhos, cores da terra e mente serpenteia e agita nessas cores, nesses estados, nesses textos, nesses pensamentos. Poderia dizer que estaria numa espécie de Outono? Até que, dás por ti, com a tua mente a vaguear em cores azuis e marinhos, brancos, cores do céu e do mar, e o teu pensamento anda nesses nuances, nessa identificação que pode parecer, de acordo com a simbologia das cores, um estado calmo. Entrei agora no Verão? Provavelmente, numa análise mais profunda, terei passado de umas vibrações mais energéticas e optimistas para … Continue reading Estados ou estações?

Apontamentos de viagens (parte I)

Ir para realidades tão contrastantes e ser indiferente? Não está no meu ser – passar ao lado. Se as compreendo e sei em que patamar se encontram? Sim sei, mentalidades e histórias não foram iguais. Criam culturas e diferenças por todo o mundo. Fito o azul do mar e tento não pensar em nada, não consigo, uma tranquilidade inquietante, atormenta-me. Porquê? Os meus pensamentos começam numa luta, de justificações, história, cultura, mentalidades… Já não tenho mão neles. Parto para a busca das justificações, não as consigo. Existem pontos em comum e variantes nas pessoas, como, em todos os sítios, não … Continue reading Apontamentos de viagens (parte I)

Já brotam flores

  Em contagem decrescente para destinos místicos e fantásticos, irão levar para lá do mediterrâneo, lendas rezam que a fenícia Dido a fundou, e Anibal aspirou. Por enquanto, ainda me vejo aqui, por terras lusas, a acabar projectos, ou pelo menos, fases. Neste momento, já brotam flores da obra para alguém, ainda será necessária muita dedicação e toque. Sinto-me realizada, dos galhos, já nasceram as flores, amendoeiras em flor – Sakura – irá preencher a casa de alguém. Uma composição feita por duas partes, preencherá um espaço de três metros e oitenta. As flores já têm vida, falta aperfeiçoar, dar … Continue reading Já brotam flores